Weby shortcut
topo.JPG

Notícias

Opções Avançadas   Busca exata   Todas as palavras   Qualquer uma das palavras
A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL E A ARTICULAÇÃO DE CONHECIMENTOS DE DIFERENTES NATUREZAS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA CIDADE DE GOIÂNIA/GOIÁS
Em 17/03/2014 às 10:35

É fato conhecido na Educação Física, as suas origens vinculadas aos campos pedagógicos, médico e militar. Esse processo de constituição histórica e seus conhecimentos característicos deixaram marcas que perduram até a atualidade na formação, na pesquisa e na intervenção profissional. Compondo esse processo, ocorre a denominada crise da Educação Física nas últimas décadas do século passado, a qual traz em seu interior, o debate sobre a importância das ciências sociais e humanas, a ênfase na intervenção escolar, a busca por novos paradigmas científicos. A contemporaneidade apresenta diferentes interesses e demandas profissionais ao corpo, ao esporte e outras práticas corporais, a partir da saúde, do treinamento, da estética e do condicionamento físico que exigem uma qualificação profissional crescente. Partindo desta reflexão, questiona-se: Qual é a efetiva contribuição das ciências biológicas, exatas, humanas e sociais na atuação profissional de professores de Educação Física que trabalham em diferentes campos de intervenção não escolares? Objetivos: Geral: Investigar a contribuição das ciências biológicas, exatas, humanas e sociais na perspectiva de professores de Educação Física que trabalham em diferentes campos de intervenção não escolares. Objetivos Específicos: a) Identificar o perfil sócio demográfico dos sujeitos investigados; b) Identificar a natureza e frequência de referências aos diferentes conhecimentos citados pelos sujeitos investigados; c) Discutir o papel atribuído pelos sujeitos às ciências biológicas, exatas, humanas e sociais na formação e atuação profissional em Educação Física; d) Correlacionar o tipo de contribuição de diferentes áreas do conhecimento com as características das intervenções em diferentes campos, tais como da saúde pública e privada, da academia de ginástica, do lazer hoteleiro e do treinamento esportivo; e) Analisar as condições de possibilidades para a constituição de um processo de síntese epistemológica em Educação Física, a partir das necessidades de intervenção em diferentes campos de atuação. Metodologia: Esta é uma pesquisa de caráter exploratório, de perfil transversal com análise quanti-qualitativa. Quanto à natureza operacional e técnica da investigação, devem ocorrer três fases articuladas entre si, quais sejam: 1ª) Diagnóstico do perfil sócio-demográfico dos sujeitos, conforme indicado nos objetivos, bem como diagnóstico dos locais de intervenção profissional. Para tal, será aplicado um questionário de tipo semiestruturado. 2ª) Registro e análise co-relacional entre as indicações feitas pelos sujeitos às diferentes áreas do conhecimento e seus campos de atuação profissional; 3ª) Grupos focais com sujeitos selecionados a partir da análise co-relacional desenvolvida na fase anterior. O principal resultado esperado é analisar a possibilidade de se identificar a importância dos conhecimentos vinculados às ciências naturais e sociais e o seu impacto na formação profissional nos ambientes não-escolares.

Palavras-Chave: Intervenção Profissional, Conhecimento, Educação Física.

Mapa
ESTUDO COMPARADO SOBRE POLÍTICAS DE FORMAÇÃO PROFISSINAL INICIAL E CONTINUADA NOS SISTEMAS DE ESPORTE, LAZER E EDUCAÇÃO: A AMÉRICA LATINA EM FOCO
Em 17/03/2014 às 10:25

Esta pesquisa objetiva fazer uma análise comparativa das políticas nacionais de formação inicial e continuadal inicial e continuada no campo da Educação Física, Esporte e Lazer em treze países da América Latina (EQUADOR; PARAGUAI; PERU; URUGUAY; MÉXICO; CHILE; CUBA; BOLÍVIA; VENEZUELA; ARGENTINA; COLÔMBIA; GUATEMALA; BRASIL) por meio do estudo de seus Sistemas de Esporte, Lazer e Educação. Buscará, não apenas identificar as principais características de suas políticas de formação inicial e continuada nos dois sistemas, como também suas  dificuldades e potencialidades nos âmbitos de intervenção profissional, a fim de subsidiar políticas e projetos bi-laterais ou multilaterais de caráter acadêmico, como em políticas públicas. O projeto foi contemplado com financiamento público na chamada N º 91/2013 ME/CNPq - Seleção pública de projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, voltados para o desenvolvimento do Esporte em suas diferentes dimensões. / Linha 2 - Políticas Públicas e Gestão no Esporte e Lazer. Na mesma linha de pesquisa em projeto anterior de menor envergadura ja havia recebido financiamento no Edital N°05/12 – FAPEG Universal.

 

Cnpq
Chamada Pública voltada à Capacitação de Mulheres
Em 07/11/2012 às 17:39

Publicado edital de apoio e fomento à formação profissional de mulheres

Trabalho Mulheres Gênero

Equipe
Em 07/11/2012 às 16:56

JOGAR OFF E JOGAR ONLINE: COMPREENSÕES ACERCA DA INTERAÇÃO NOS JOGOS ELETRÔNICOS
Em 18/05/2012 às 19:48

Os jogos eletrônicos (JE), na atualidade, se configuram como um elemento de destaque no consumo humano frente ao desenvolvimento tecnológico. Sua rápida ascensão no mercado do entretenimento se deve, em alguma medida, ao sucesso obtido pelas novas e variadas formas de interação proporcionadas. Neste sentido, este estudo busca investigar a compreensão dos jogadores acerca das diferentes possibilidades de interação no e a partir dos JE online e offline. Os dados foram abstraídos de questionários respondidos pelos jogadores e indicaram que a interação é um fator preponderante para a escolha dos JE, mas com sentidos distintos para os jogadores. O fato de jogar offline individualmente restringe as ações do jogador à máquina, mas, ao mesmo tempo, permite outras atitudes não admitidas no âmbito online, como relaxar e se auto superar. No que se refere aos JE online, a interação entre os jogadores constitui um mecanismo de manutenção das relações presenciais estendendo e ampliando-as no âmbito virtual. Ambas as modalidades, ao constituírem elementos simbólicos de grupos com identidades próprias, apontam para a necessidade da interação como forma de potencializar as relações humanas mediadas pela máquina.

CORPO, CLASSE SOCIAL, GÊNERO FEMININO E SEXUALIDADE: (DES) NATURALIZANDO LINGUAGENS E MARCAS DO UNIVERSO ESCOLAR
Em 18/05/2012 às 19:02

Pensar o corpo na atualidade é refletir sobre a construção de um padrão corporal e de subjetividades coletivas pelas diversas instâncias do poder. Tal padronização das identidades, fundamentada em uma perspectiva essencialista, reforça e reproduz, ao mesmo tempo, a concepção de masculinidade e feminilidade construída historicamente, contribuindo para a manutenção das atuais diferenças de gênero e para a normatização das vivências da sexualidade. Este trabalho, portanto, emergiu da necessidade de se pensar o corpo e suas articulações com gênero, classe social e sexualidade dentro do contexto escolar visto que este é um espaço propício de diálogo e diversificação de conteúdos. Partindo dessa compreensão de escola, objetivou-se, neste estudo, diagnosticar, analisar, dialogar e produzir conhecimentos sobre as categorias corpo, gênero e classe social, com estudantes, professores e gestores educacionais, de escolas públicas localizadas em regiões periféricas de Goiânia/GO, com o intuito de semear a pluralidade, o respeito ao diferente, o estimulo a reflexão e atuação em políticas públicas, além de contribuir na construção de um coletivo crítico, reflexivo e consciente de seus direitos e deveres sociais.

FORMAÇÃO CONTINUADA COM EDUCADORES: (DES)NATURALIZANDO CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA
Em 18/05/2012 às 18:56

Este estudo tem a finalidade de diagnosticar, dialogar e produzir conhecimentos sobre as categorias corpo, gênero e sexualidade, com estudantes, professores e gestores educacionais, de escolas públicas da região da grande Goiânia/GO. Com o intuito de semear a pluralidade, o respeito ao diferente, o estimulo a reflexão e atuação em políticas públicas e contribuir na construção de um coletivo crítico, reflexivo e consciente de seus direitos e deveres sociais. Desta forma, (des)naturalizar possíveis preconceitos e discriminações, referentes as categorias corpo, gênero e sexualidade, presentes no ato educativo escolar. Para tais ações se concretizarem, levanta-se a relevância em se aproximar e conhecer os procedimentos metodológicos, tipos de pesquisa, natureza, instrumentos de coleta de dados e formas de apreciação e análise dos mesmos, por meio da problematização, apontando as contradições dos discursos e estimulando a análise crítica e reflexiva sobre os acontecimentos decorrentes.

SAÚDE “À FLOR-DA-PELE”?: PERCEPÇÕES DE CORPO E SAÚDE DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE EDUCAÇÃO EM GOIÂNIA (GO/BRASIL)
Em 18/05/2012 às 18:46

Este artigo configura-se como trabalho final de iniciação científica referente ao período de 2010 - 2011e é parte do projeto de pesquisa “Corpo Gênero e Sexualidade: para além de educar meninas e meninos”; desenvolvido entre os anos de 2009 e 2011, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG) e aprovado pelo comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Goiás, nº 158/08. Com metodologia de caráter descritivo-exploratório, teve como objetivo evidenciar as relações entre corpo, estética e saúde na perspectiva de 34 professores de Educação Física da rede pública de ensino na cidade de Goiânia/GO. Os dados indicam uma compreensão de aparência saudável como sinônimo de saúde, o que denominamos aqui enquanto uma saúde “a flor-da-pele”, e pareceu-nos ser o aspecto estético um destaque no discurso dos professores pesquisados. Conclui-se, então, a importância por melhor discutir o processo de estetização da saúde atrelado a aspectos sócio-históricos de influências como da indústria cultural e da lógica de consumo.

PRÁTICA PEDAGÓGICA E EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUESTÕES SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE ENTRE PROFESSORES (AS) DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE PÚBLICA EM GOIÂNIA (GO/BRASIL)
Em 18/05/2012 às 18:41

Este texto constitui-se como relatório final do Programa Voluntário de Iniciação Científica (2010/2011) apresentando parte dos dados finais do projeto de pesquisa nomeado “Corpo, Gênero e Sexualidade: para além de educar meninas e meninos” 5que vem sendo desenvolvida junto ao LABPHYSIS – Laboratório Physis de Pesquisa em Educação Física, Sociedade e Natureza, vinculado a Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás. O referido projeto é financiado pela FAPEG – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Chamada 02/2008) e está em sua fase final do seu desenvolvimento de 2009 a 2011.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO NO CAMPO DA EDUCAÇÃO FÍSICA
Em 17/05/2012 às 19:58

Com o presente texto pretendemos comunicar o desenvolvimento de uma pesquisa com o foco na implantação do Curso de Licenciatura em Educação Física na modalidade Educação a Distancia, da Universidade Federal de Goiás - UFG, vinculada a Universidade Aberta do Brasil- UAB, com especial atenção para peculiaridades do campo da educação física no seu processo ensino-aprendizagem das disciplinas de caráter teórico-prático e para a experiência no âmbito corporal.

MANIFESTAÇÕES DA CULTURA CORPORAL EM COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS: UM ACERVO INICIAL NO ESTADO DE GOIÁS
Em 06/05/2012 às 19:56

A presente investigação, coordenada pelos professores Ana Márcia Silva e José Luiz Cirqueira Falcão, objetiva analisar práticas corporais em comunidades remanescentes de quilombos do Estado de Goiás, com o intuito de fornecer subsídios para a adoção de políticas públicas focalizadas e específicas para atender os interesses e necessidades dessas comunidades. Tem como objetivo central realizar um levantamento/diagnóstico das manifestações da cultura corporal nessas comunidades por meio de registro, problematização e análise da memória lúdica de seus integrantes e identificação de seus anseios, necessidades e reivindicações, no que se refere às práticas corporais e de lazer a serem fomentadas pelas políticas púbicas de Estado, dentre outras necessidades sociais.

FORMAÇÃO CONTINUADA COM EDUCADORES DA REDE PÚBLICA DE GOIÂNIA: (DES)CONSTRUINDO RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA
Em 06/05/2012 às 19:48

Neste ensaio descrevemos os passos metodológicos e alguns resultados de uma pesquisa financiada pelo CNPq, referente ao edital n°57/2008, intitulada “Corpo, gênero feminino e sexualidade: (des)naturalizando linguagens e marcas do universo escolar”, vinculada ao Laboratório Physis de Pesquisa em Educação Física, Sociedade e Natureza (LABPHYSIS). O projeto centrou suas atividades na formação continuada com professores e gestores da rede municipal e estadual de Goiânia/GO, no período de 2009 a 2010, envolvendo diretamente bolsistas PROBEC, PROLICEN e PIBIC/PIVIC, em atividades de extensão e pesquisa, assim como pesquisadoras e professoras da rede pública de Goiânia.

CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE:PARA ALÉM DE EDUCAR MENINAS E MENINOS
Em 06/05/2012 às 19:42

O presente texto pretende apresentar os primeiros dados analisados pelo projeto de pesquisa intitulado “Corpo, Gênero e Sexualidade: para além de educar meninas e meninos” que vem sendo desenvolvido pelo LABPHYSIS – Laboratório Physis de Pesquisa em Educação Física, Sociedade e Natureza, vinculado à Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás. O referido projeto é financiado pela FAPEG (Chamada 02/2008) e está na sua fase final de realização. O mesmo parte da problemática apontada na atualidade pelo fenômeno do bullying, o qual se manifesta pelo desenvolvimento de ações violentas, as quais possuem demonstrações de sexismo, discriminação e manifestações de intolerância, as quais, por vezes, são reforçadas por uma concepção de Educação Física tradicional cujo modelo se apoia no desempenho máximo, na performance e na competitividade, pautadas na perspectiva esportivista.

CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE: EDUCAR MENINAS E MENINOS PARA IGUALDADE E RESPEITO
Em 06/05/2012 às 19:32

A Educação Física, compreendida como uma disciplina curricular obrigatória em toda Educação Básica, da educação infantil ao ensino médio, constitui-se como um espaço pedagógico crucial para pensarmos as questões de gênero, assim como de sexualidade. Sua posição estratégica é ainda importante, dada sua proximidade com corpo e a corporalidade, dimensão humana central quando a preocupação é relacionada com o gênero e sexualidade e a superação das distinções sociais e conseqüente marginalização ou inferioridade (COURTINE; SANT´ANNA; 2001). De outro modo, seu conteúdo ligado as manifestações da cultura corporal, também pode levar, ambiguamente, ao sexismo, a discriminação e sua exacerbação violenta, com os fenômenos que vêm sendo chamados de bullying. Isso pode ocorrer, equivocadamente, por um modelo de aula de educação física tradicional com um tipo de trato pedagógico com conteúdos como o esporte, que tende exacerbar exigências e qualidades físicas que reproduzem o modelo masculino. Pode reforçar-se, então, a dinâmica de atribuição de papéis masculinos ou femininos, considerando-se, inclusive, como afirma Guacira Louro (2004, p. 16), que na educação é feito um “trabalho pedagógico contínuo, repetitivo e interminável para inscrever nos corpos o gênero e a sexualidade “legítimos”.

CORPO, CLASSE SOCIAL, GÊNERO E SEXUALIDADE: (DES)NATURALIZANDO LINGUAGENS E MARCAS DO UNIVERSO ESCOLAR
Em 06/05/2012 às 19:14

A ação do projeto partiu da demanda em formalizar a investigação sobre a interseccionalidade das temática corpo, gênero e sexualidade, sob o viés do gênero feminino, advindos da necessidade em conhecer, discutir, analisar e trabalhar nas escolas com educadores e gestores. Objetivamos identificar e problematizar o conhecimento das estudantes sobre as temáticas, analisando também tais percepções, preocupações e inquietações com professor@s e gestor@s. Neste estudo, o enfoque se direciona para o ambiente escolar, visando duas escolas públicas (municipal e estadual) de Goiânia/GO, localizadas na periferia da cidade. A amostra é composta por 49 escolares do gênero feminino, cursando o último ano do ciclo III, com faixa etária entre 13 e 17 anos. Com relação aos professores, foram selecionados 26, os quais ministravam disciplinas no último ano/turma do Ciclo III ou Ensino Fundamental. Referente aos gestor@s, ao todo foram 6, entre coordenador@s pedagógico e de turma.

GÊNERO, JUVENTUDE POBRE E CÓDIGOS CORPORAIS: INTERPRETAÇÕES DISCENTES E INTERVENÇÕES DOCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE GOIÂNIA
Em 06/05/2012 às 18:17

Este estudo tem a finalidade de diagnosticar, analisar, dialogar eproduzir conhecimentos sobre as categorias corpo, gênero e classe social, comescolares, professores e gestores educacionais, de escolas públicas da grande regiãode Goiânia/GO, com o intuito de semear a pluralidade, o respeito ao diferente, oestimulo a reflexão e atuação em políticas públicas e contribuir na construção de um coletivo crítico, reflexivo a consciente de seus direitos e deveres sociais.

CORPO, CLASSE SOCIAL, GÊNERO FEMININO E SEXUALIDADE: (DES)NATURALIZANDO LINGUAGENS E MARCAS DO UNIVERSO ESCOLAR
Em 06/05/2012 às 17:59

O cuidado de si, relacionado à imagem corporal, nos remete a novos questionamentos ou à busca de novos paradigmas, como a compreensão da dinâmica social a que estamos inseridos, as exigências atribuídas a feminilidade, as veiculações de imagens corporais que os meios de comunicação transmitem diariamente, o distanciamento dos atributos físicos atrelados em qualidades morais, bem como a influência da população no envolvimento do processo de contemplação, reforço de modelos corporais e a vivência da sexualidade humana discriminatória e hegemônica. A literatura mostra a cobrança pessoal e social por um determinado padrão de beleza, bem como as linguagens que ele representa. Assim, não estar de acordo com os padrões, ou seja, não ter as medidas e curvas corporais estipuladas, pode desencadear incômodos, tanto para quem se encontra fora deste perfil ideal, como para quem o visualiza. No entanto, uma cultura centrada na supervalorização corporal, muitas vezes, não se preocupa com outros elementos fundamentais para o convívio humano, como o respeito, a amizade, o companheirismo, o cuidado com o outro, a afetividade. Para formalizar a investigação sobre a interseccionalidade das temáticas levantadas, estabelecemos como objetos de análise o corpo e gênero de jovens pobres, de forma a resgatar referenciais adequados a estas visões voltando-nos para alguns valores e concepções atribuídos ao corpo na atualidade, bem como a relação desses elementos com a classe social, de forma a levantar, identificar, problematizar e refletir sobre as interligações presentes nessas categorias de análise. Neste estudo, o enfoque se direciona para o ambiente escolar, visando bairros periféricos da grande região de Goiânia/GO, prendendo-nos aos gestores escolares (diret@r, coordenad@r pedagógic@ e coordenador@ de turma), professor@s de Educação Física, Biologia e Português, por serem considerados figuras importantes no diálogo com escolares, ao que tange gênero e sexualidade (BRASIL, 1998), e estudantes das duas últimas turmas do Ciclo III, por ser nesta fase que começam a trabalhar o corpo, manifestam vaidade, com isto, sensibilizando-se para amplas questões da corporeidade.

DIAGNÓSTICO NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA-GO: COMPREENDENDO CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE
Em 06/05/2012 às 16:42

O corpo em si, denota uma linguagem de sedução, exercendo então, poder. Partindo do questionamento do porquê desta cobrança, em torno do gênero feminino, a um padrão de beleza, o estudo busca compreender as identidades de feminilidade e masculinidade cobrados/esperados, bem como as diferentes cobranças para cada gênero, considerando a categoria classe social como um importante elemento de análise na interface da comunicação corpo, gênero e poder. Isto nos leva a acreditar que conversar e estimular a reflexão sobre as diferenças físicas de cada um, mostrar os diversos atributos de beleza e valores existentes em outras culturas, contextualizar o corpo feminino na história e entender as marcas e as linguagens que atuaram sobre ele no decorrer dos tempos é um importante início de diálogo, no sentido de incentivar o conhecimento e respeito ao diferente, a discussão de sexualidade e a aceitação de si. Para isso, entendemos que o local e a forma de emissão de conhecimentos não podem ser desconsiderados dessa análise, sendo o âmbito educativo, espaço propício de diálogo e diversificação de conteúdos que ofereçam questionamentos do cotidiano do discente, estimulando o raciocínio crítico e reflexivo.

CONTEXTUALIZANDO GÊNEROS, CORPO E SEXUALIDADES: DIAGNÓSTICO DO UNIVERSO ESCOLAR DE GOIÂNIA/GO
Em 06/05/2012 às 16:34

Contextualizar o corpo e suas concepções de gênero na história, bem como entender as marcas e as linguagens que atuaram sobre ele no decorrer dos tempos são diálogos importantes ao incentivo, conhecimento e respeito ao diferente, as minorias, as políticas públicas e os discursos presente nas sexualidades. Dessa forma, esta investigação visa identificar, problematizar e refletir sobre a relação entre sexualidades, gêneros e corpo, entre escolares cursando o último ano do ciclo III ou nona série, gestores educacionais e professores. O universo pesquisado é composto de três instituições públicas, situadas na região periférica de Goiânia/GO. Os procedimentos metodológicos fundamentam-se na análise qualitativa, com pesquisa de campo do tipo pesquisa-ação, em que será utilizado o questionário e oficinas de formação, desenvolvidas e elaboradas a partir dos temas geradores, advindos dos questionários e observações. Espera-se obter um diagnóstico da existência e do trato pedagógico das questões de corpo, gêneros e sexualidades, visando gerar conhecimentos e práticas educativas que subsidiem a formação inicial e continuada em educação, voltada a atuação consciente, crítica e competente em termos de corporeidade, igualdade de gênero, sexualidades e formação humana.

Corpo, Gênero e Sexualidade: (des)naturalizando linguagens e marcas do universo escolar
Em 06/05/2012 às 16:26

Esta investigação visa identificar, problematizar e refletir sobre a relação entre sexualidades, gêneros e corpo, entre escolares cursando o último ano do ciclo III ou nona série, gestores educacionais e professores. O campo pesquisado é composto de três instituições públicas, situadas na região periférica de Goiânia/GO. A metodologia fundamenta-se na análise qualitativa, com pesquisa de campo do tipo pesquisa-ação, em que será utilizado o questionário e oficinas de formação, desenvolvidas e elaboradas a partir dos temas geradores, advindos dos questionários e observações. Espera-se obter um diagnóstico da existência e do trato pedagógico das questões de corpo, gêneros e sexualidades, visando gerar conhecimentos e práticas educativas que subsidiem a formação inicial e continuada em educação, voltada a atuação consciente, crítica e competente em termos de corporeidade, igualdade de gênero, sexualidades e formação humana.

CORPO, CLASSE SOCIAL E GÊNERO FEMININO: (DES)NATURALIZANDO LINGUAGENS E MARCAS DO UNIVERSO ESCOLAR
Em 04/05/2012 às 08:16

Novas atribuições aos códigos corporais na atualidade, que veiculam juventude e saúde ao corpo magro e rígido, sustentam um protótipo feminino esquelético como padrão estético. Tal discurso hegemônico nos levaram a traçar os seguintes objetivos: levantar e identificar com as alunas, o significado dado por elas ao seu corpo e seus conflitos, no que tange feminilidade e poder aquisitivo. Identificar e trabalhar conjuntamente com gestores e professores, por meio de oficinas de formação, as temáticas corpo, gênero e classe social. Como método utilizaremos o tipo pesquisa-ação, com abordagem qualitativa, nos valendo de técnicas como observação participante, questionário e oficinas.

PRÁTICAS CORPORAIS NA EXPERIÊNCIA QUILOMBOLA: UM ESTUDO COM COMUNIDADES DO ESTADO DE GOIÁS/BRASIL
Em 04/05/2012 às 08:07

O objetivo deste trabalho é analisar as práticas corporais na experiência quilombola indicando alguns dados de pesquisa realizada com cinco comunidades (Almeida, Cedro, Kalunga, Magalhães e Jardim Cascata) no Estado de Goiás, região central do Brasil, apontando, também, alguns elementos do processo histórico e da agenda política nacional sobre o tema. As folias, danças como o forró, a catira e a sussa, a capoeira, jogos e brincadeiras, além do futebol, são algumas das mais frequentes práticas corporais encontradas, quase todas marcadas por um hibridismo com a cultura de massa e atuando como vetores de reconstrução da tradição em busca da reafirmação da identidade cultural.

FORMAÇÃO CONTINUADA COM EDUCADORES: (DES)NATURALIZANDO GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA
Em 03/05/2012 às 05:38

Este relato de experiência apresenta a formação do laboratório de pesquisa (LABPHYSIS) da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás e descreve de forma sistematizada as atividades elaboradas e desenvolvidas em uma das pesquisas realizadas pelo grupo. O projeto trabalha a formação continuada com professores e gestores da rede municipal e estadual de Goiânia, no período de dois anos (2009-2010). Para isso delimitou os seguintes passos metodológicos: pesquisa-ação, com abordagem qualitativa, valendo-nos de técnicas como observação participante, questionário com estudantes (último ano do Ensino Fundamental), professores e gestores, oficinas de formação continuada com professores e gestores, atividades realizadas online, no site criado pelo grupo e finalizando com um seminário que reúne educadores, estudantes e intelectuais da área. O evento visa apresentar os dados coletados, bem como dialogar, problematizar e (des)naturalizar possíveis preconceitos e discriminações presentes no cotidiano escolar.

(DES)CONSTRUINDO DIÁLOGOS EM GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA
Em 03/05/2012 às 05:31

Esta pesquisa faz um mapeamento da produção científica dos grupos de pesquisa e estudo, sobre as relações de gênero e sexualidade em escolas de Goiânia-GO, identificando e discutindo o estado da arte, de registros das propostas e/ou ações encaminhadas e/ou implementadas, assim como das políticas públicas em Educação Sexual e Sexualidade em instituições públicas da cidade, visando responder quais os aspectos e as dimensões vêm sendo privilegiados em diversos contextos e tempos, as formas e as condições de produção de ações pedagógicas e/ou de intervenções, projetos de pesquisa, publicações em periódicos e/ou comunicações em anais de eventos científicos. A partir destes levantamentos e análises, pretende-se dialogar com as/os pesquisadoras/es e com as Secretarias de Educação, municipal e estadual. Para isso, será realizada uma pesquisa de campo qualitativa, do tipo bibliográfica, “Estado da Arte” e pesquisa-ação, em que propomos cinco etapas de desenvolvimento, interligadas e condicionadas à alimentação dos dados, expresso em métodos de pesquisa e instrumentos de coleta de dados, como: Estado da Arte das produções realizadas pelos grupos de pesquisa local sobre Sexualidade e Educação Sexual; grupo focal com coordenadoras/es e integrantes desses grupos, como forma de identificar e ampliar as análises; encontro científico com pesquisadoras/es de outros estados e país, trocando experiências e recebendo informações sobre as temáticas em voga; entrevista com as/os representantes da formação continuada em Sexualidade e Educação Sexual de escolas públicas de Goiânia e finalizando com a construção de um livro, visando possibilitar a circulação e intercâmbio entre a produção construída e aquela a produzir. Este estudo problematiza a discussão entre natureza e cultura, que ao considerar existir uma ampla divulgação e acúmulo das produções no âmbito acadêmico, levanta questionamentos de como, quando e por que tais conhecimentos estão ou não presentes no currículo de formação de professoras/es.